Foto: Ierê Ferreira

Texto e foto: Ierê Ferreira

Ele tinha ouvidos ávidos,
Por música.
As mãos calejadas,
Do couro do atabaque e do pandeiro
E sua cuíca chorava de gargalhar.

No coração levava a marca do surdo de primeira,
Nos pés devagar, devagarzinho, influência de Martinho
Negro fera!
Deslizava o miudinho como ninguém pudera.

Jogava no time dos veteranos
Cinqüenta anos de samba, ritmo e melodia
Marca registrada na música e na folia
Bom malandro sem fronteiras
Marginal da poesia

Ovídio Brito…

Teu caminho não parou naquela estrada
Teu samba não calou na madrugada
No dia do músico.

No dia do samba.
As rodas vão ecoar seu nome
Seus sambas e a paz que seu sorriso deixou.
No dia do músico.



[videolog 385880]
Anúncios